Primeira Consulta

O ideal é que o casal compareça junto à primeira consulta. A vinda à clínica pode ser resultado da necessidade de investigação e posterior tratamento ou, o que é mais comum, por orientação do seu médico, que já procedeu à investigação, e vê a necessidade de tratamento mais especializado. No final da consulta, em que normalmente são feitos entrevista, exame físico e revisão dos exames já realizados (se for o caso), estabelece-se um plano de investigação ou de tratamento.

 

A entrevista

Costumamos iniciar a consulta através do preenchimento, pelo casal, de um questionário padronizado. Após leitura do mesmo e identificação dos pontos de interesse, reunimo-nos com o casal para a entrevista propriamente dita, na qual o questionário é revisado. Consideramos isto bastante prático, uma vez que já iniciamos a consulta com uma idéia básica do(s) problema(s) e podemos utilizar o tempo da consulta de forma mais racional, havendo oportunidade de discutir mais amplamente a infertilidade em todos os seus aspectos. O questionário aborda aspectos conjugais, emocionais, sexuais, ginecológicos, obstétricos, masculinos, comportamentais, de saúde geral, histórico de doenças anteriores e histórico médico familiar.

 

Análise dos exames complementares já realizados

São analisados todos os exames já realizados de forma a não repetir alguns desnecessariamente. Porém, é mandatório que se repitam aqueles de má qualidade ou os que avaliam parâmetros que possam mudar com o passar do tempo.

 

O exame físico

O exame físico enfoca basicamente o aparelho genital (exame ginecológico ou urológico) e será complementado por um exame ultrassonográfico transvaginal, no caso feminino.

 

Plano de investigação

No final da consulta, será estabelecido um plano de investigação/tratamento. É de fundamental importância a colaboração e a participação do casal em todos os passos da investigação e tratamento, que às vezes podem não ser tão rápidos quanto vocês gostariam ou imaginariam que fossem, uma vez que grande parte dos exames depende do binômio menstruação-período fértil. Será descrita a estratégia a ser utilizada, explicando no que consiste cada exame, o que avalia, e como é realizado e que cuidados devem ser tomados quando da sua realização. A escolha do tratamento vai depender da causa da infertilidade, do tempo de infertilidade e também da idade feminina.

 

Reprodução humana

Na espécie humana, a reprodução envolve dois tipos de células especializadas, chamadas de gametas (o óvulo na mulher e o espermatozóide no homem), cuja união determina a formação do embrião. É um processo complexo que necessita:

 

 - que os espermatozóides sejam produzidos pelos testículos em número e qualidade adequados, resultado da normalidade do eixo hipotálamo-hipófise-testicular, associada à integridade anátomo-funcional do testículo;


-  que os espermatozóides sejam adequadamente depositados na vagina durante a relação sexual. São necessárias a integridade anatômica e funcional do aparelho genital masculino (transporte do espermatozóide e ejaculação) e da vagina;


- que a relação sexual aconteça no momento correto, ou seja, no período próximo à ovulação;


- que os espermatozóides tenham livre trânsito pelo aparelho genital feminino, o que pressupõe produção de muco e anatomia uterotubária normal;

 

- que os ovários sejam normais, capazes de responder aos estímulos hormonais e determinar o crescimento, amadurecimento e liberação de um óvulo maduro, o que implica integridade do eixo hipotálamo-hipófise-ovário;

 

- que o líquido peritoneal e o peritônio sejam normais (microambiente de fertilização);

 

- que as trompas tenham função preservada, ou seja, que captem o óvulo, permitam a fertilização e proporcionem nutrição para o embrião, e que garantam seu transporte até o útero;

 

- que o endométrio esteja apto a receber o embrião, participar da sua implantação e propiciar a interação embrião-mãe;

 

- que o útero permita o desenvolvimento do embrião até que exista maturidade para a vida extra-uterina.

 

Os exames complementares devem informar sobre estes itens; o achado de uma causa para a infertilidade não necessariamente determina o fim da investigação, uma vez que em 20-25% dos casais existem fatores associados.