fbpx

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Cras sollicitudin, tellus vitae condimentum egestas, libero dolor auctor tellus, eu consectetur neque.

Aperte enter para iniciar sua busca...

Idade paterna também influencia chance de gravidez

Fertilitat - Centro de Medicina Reprodutiva / Notícias  / Idade paterna também influencia chance de gravidez

Idade paterna também influencia chance de gravidez

Homens com mais de 45 anos devem buscar especialistas para evitar possíveis complicações na concepção tardia

Por muito tempo, apenas a idade da mulher era levada em consideração quando se avaliava a possibilidade de gravidez. No entanto, novos estudos indicam que os homens também têm um prazo biológico para ter filhos. Ao longo do tempo, espermatozoides vão perdendo a qualidade – o que pode gerar possíveis anomalias no feto e chances de desenvolvimento de síndromes na criança.


Para Claudio Telöken, urologista e andrologista do Fertilitat – Centro de Medicina Reprodutiva, a idade mais segura para a paternidade é antes dos 45 anos. Após isso, aumentam as chances de complicações na gravidez e no crescimento dos filhos. Por isso, segundo ele, é fundamental que o homem mantenha um estilo de vida saudável. “A capacidade reprodutiva adequada baseia-se fundamentalmente no cuidado a fatores de risco. Entram aí obesidade, uso de álcool, cigarro e drogas recreativas, insônia e apneia, sedentarismo, entre outros”, explica.

Instrução sobre fatores de risco


Estudos recentes mostram que, quanto mais velho for o pai, maior a chance de peso fetal diminuído e episódios de convulsão. Outra evidência é o acréscimo da possibilidade de doenças genéticas e retardo no desenvolvimento infantil, como a neurocognição e suas eventuais consequências. As complicações também podem atingir a parceira: “há maior índice de problemas na gravidez, como pré-eclâmpsia, diabete gestacional e parto prematuro”, alerta o urologista. 


Caso queira ser pai após os 45 anos, o homem deve procurar um especialista para mensurar os fatores de risco. “A população masculina precisa ser instruída sobre seu relógio biológico e a otimização do momento para ter filhos”, conclui Telöken