fbpx

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Cras sollicitudin, tellus vitae condimentum egestas, libero dolor auctor tellus, eu consectetur neque.

Aperte enter para iniciar sua busca...

Obesidade x fertilidade masculina

Fertilitat - Centro de Medicina Reprodutiva / Notícias  / Obesidade x fertilidade masculina

Obesidade x fertilidade masculina

Caracteriza-se obesidade como o acúmulo excessivo de gordura no corpo humano. Vários métodos precisos e sofisticados estão disponíveis para a sua identificação mas, do ponto de vista prático, há respaldo científico para uso do índice de Massa Corporal (IMC)que determina sobrepeso, de 25 a 30 kg/m², e obesidade, excedendo 30kg/m². A circunferência abdominal também pode ser agregada à avaliação e é considerada anormal quando ultrapassada 102cm no homem.

O aumento da obesidade em todo o mundo tornou-se uma questão de saúde pública, tendo em vista suas deletérias consequências na saúde, especialmente no sistema cardiovascular. Além de todo o cortejo sintomático, alterações metabólicas, hipertensão arterial, resistência insulínica, disfunções sexuais, destaca-se o comprometimento na qualidade de vida, na autoestima, na produção intelectual e laboral, na força física e, sabidamente, mortalidade aumentada.

O quadro tornou-se ainda mais grave ao averiguar-se que a obesidade não só tem aumentado em adultos, mas também na infância e na juventude. Pesquisas dirigidas para eventos cardiovasculares e metabólicos evidenciaram o aumento paralelo da obesidade e da infertilidade masculinas.

Simultaneamente, questionou-se a eventual relevância da precocidade do surgimento da obesidade, o período de tempo que perdurou este estado anômalo e o possível prejuízo à reprodução masculina.

Também foi crucial separar a diminuição da fertilidade masculina pela obesidade per se ou consecutiva a tratamento para hipertensão, depressão, infecção, síndrome metabólica ou sintomas articulares, que secundariamente poderiam afetar a espermatogênese.

O mecanismo específico da obesidade sobre a fertilidade masculina possui vários pontos obscuros. Entretanto, é suficientemente claro que o homem obeso possui alterações no eixo hipotálamo-hipofisário-gonadal com repercussão em vários hormônios modificando o potencial reprodutivo masculino.

O obeso tem a tendência de apresentar níveis estrogênicos elevados e baixos de testosterona. O hipogonadismo nestas condições compromete a espermatogênese e a performance sexual.

Desde que há obeso fértil e obeso com comprometimento severo da capacidade reprodutiva, há evidência de uma “genética desfavorável”, acometendo alguns indivíduos onde sempre índices de testosterona são baixos. Hipotiza-se a presença da mutação genética onde o prognóstico é mais reservado, mesmo tratando a obesidade.

De outra parte, o tecido adiposo encontrado em altos índices em obesos exibe atividade elevada e secreta hormônios derivados deste tecido. Um deles é a leptina, conhecido como regulador da ingestão alimentar e da energia gasta, via mediação hipotalâmica, O excesso de leptina pode contribuir para redução de andrógenos na obesidade masculina.
O hormônio Inibina B (IB) diminui com a obesidade em homens jovens em níveis de 26%, comparado com indivíduos saudáveis. A IB relaciona-se positivamente com o número de células de Sertoli. Como óbvia consequência, quanto mais baixo for, mais baixa a concentração espermática.

Homens obesos exibem três vezes mais chance de diminuição da concentração espermática do que aqueles com IMC normal e há associação negativa entre motilidade e IMC.

A taxa de fragmentação do DNA espermático em homem jovem e saudável é cerca de 3 a 5%, ao passo que nos indivíduos com sobrepeso e obesidade ultrapassa 25 a 30%, podendo dificultar a obtenção de gravidez.

É de conhecimento público a morbidade e mortalidade desta condição. Entretanto, faz-se mister também difundir a preservação da fertilidade masculina, cultivando um estilo de vida saudável tal como combatendo o sedentarismo e diminuindo ingestão de carboidratos.

Por Claudio Telöken, urologista do Fertilitat