fbpx

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Cras sollicitudin, tellus vitae condimentum egestas, libero dolor auctor tellus, eu consectetur neque.

Aperte enter para iniciar sua busca...

Embriologistas tiram dúvidas sobre inseminação e fertilização

Fertilitat - Centro de Medicina Reprodutiva / Notícias  / Embriologistas tiram dúvidas sobre inseminação e fertilização

Embriologistas tiram dúvidas sobre inseminação e fertilização

A fertilização in vitro e a inseminação artificial são duas das principais técnicas de reprodução assistida. Graças aos avanços científicos, têm sido cada vez mais utilizadas e com melhores taxas de efetividade, ajudando a realizar sonhos de muitos casais.

Para esclarecer dúvidas sobre essas técnicas, o Fertilitat – Centro de Medicina Reprodutiva realizou nesta terça-feira (2) uma live no Instagram. As embriologistas Letícia Proença e Shana Flach explicaram algumas das principais questões das tentantes. Confira as principais:

Qual a diferença entre inseminação artificial e fertilização in vitro?
A inseminação é quando o material seminal é preparado e depositado diretamente no útero da paciente, para que a fertilização aconteça de forma natural. Já a técnica in vitro acontece quando é feita a retirada dos óvulos da paciente, nos quais são introduzidos os espermatozoides. O embrião desenvolvido é, então, transferido para o útero.

Posso escolher o sexo do bebê?
Não, isso é proibido pelo Conselho Federal de Medicina. A única exceção é a partir do estudo genético do embrião, desde que seja para evitar a transmissão de doenças genéticas relacionadas aos cromossomos sexuais, previamente conhecidas no casal.

Consigo saber o sexo do bebê na fertilização?
Sim, mas somente nos casos em que é realizada a biópsia embrionária.

Quantos embriões podem ser transferidos para a paciente?
O Conselho Federal de Medicina traz algumas limitações: em pacientes de até 35 anos, dois embriões. De 36 a 39 anos, até três. Acima de 40 anos, no máximo quatro. No entanto, a tendência mundial é de transferir apenas um, em virtude da evolução das técnicas, além do estudo da qualidade do embrião e do histórico da paciente.

O que define um bom embrião?
É aquele que vai levar à gravidez. Existe uma classificação morfológica que avalia a qualidade do embrião, mas ela por si só não é decisiva. Um embrião com índice médio pode resultar na gestação.

O que é a biópsia embrionária? Quem pode fazer?
É um procedimento que avalia a carga cromossômica de cada embrião, verificando se há alterações como monossomias ou trissomias — a presença de um ou três cromossomos onde deveria haver um par. É mais indicado em pacientes acima de 38 anos ou com histórico de aborto repetitivo e falha de implantação.

A biópsia pode prejudicar o embrião ou o bebê?
O procedimento não causa alterações genéticas no embrião, nem provoca sequelas no bebê, caso leve a uma gestação.

Por quanto tempo um embrião pode ficar congelado?
Pelo tempo necessário. Há registros de embriões que ficaram mais de 10, 15 anos congelados e geraram gestações de sucesso. O processo mantém a viabilidade do embrião e não causa modificações nele.