fbpx

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Cras sollicitudin, tellus vitae condimentum egestas, libero dolor auctor tellus, eu consectetur neque.

Aperte enter para iniciar sua busca...

Há 31 anos: o primeiro bebê de laboratório do Sul do Brasil

Fertilitat - Centro de Medicina Reprodutiva / Notícias  / Há 31 anos: o primeiro bebê de laboratório do Sul do Brasil

Há 31 anos: o primeiro bebê de laboratório do Sul do Brasil

Muitas são as histórias de pioneirismo do Fertilitat – Centro de Medicina Reprodutiva ao longo de sua trajetória. Conquistas que colocaram a clínica na vanguarda da aplicação de técnicas científicas dos principais centros do mundo, sendo feitas pela primeira vez no Sul, no Brasil e até na América Latina.

Lembranças que vamos lembrar a partir de hoje, com um marco que muito nos orgulha: o nascimento do primeiro bebê do Sul do Brasil concebido através de técnicas de reprodução assistida.

Essa jornada começou com a obstinação de um casal de Tramandaí (RS). Ambos com 25 anos, tentaram ter filhos de forma natural sem sucesso. Ela tinha um problema comum de infertilidade, a endometriose – que ocorre quando células do útero se desenvolvem fora do órgão, nas trompas e nos ovários, e sangram a cada menstruação. Já ele apresentava uma baixa produção de espermatozoides.

Após três anos de tentativas frustradas, o casal buscou ajuda do Grupo de Fertilidade Assistida do Hospital São Lucas da PUCRS, em Porto Alegre, então dirigido por Álvaro Petracco e Mariangela Badalotti – atualmente diretores do Fertilitat. O grupo ainda era composto pelos ginecologistas Marcelo Moretto, Francisco Cancian e pela embriologista Maria Isabel Martins.

A tão esperada gestação aconteceu em junho de 1988, após a segunda tentativa do método GIFT – Transferência Intratubária de Gametas, semelhante ao chamado “bebê de proveta”, com a diferença que no GIFT, óvulo e espermatozoide se encontram apenas dentro do corpo da mulher. Neste método, era simulada uma superovulação na mulher, com a administração de hormônios.

Em seguida, são retirados os óvulos e escolhidos os mais maduros. Através de um cateter, óvulo e espermatozoide são implantados na trompa, para que ali ocorra a fertilização, que tinha uma taxa de sucesso de 33%. A vantagem desta técnica era seu custo – à época de 1.500 dólares, valor menor que o do bebê de proveta. Hoje em dia, o GIFT caiu em desuso.

No final da década de 1980, o tema da reprodução assistida ainda era uma novidade, tanto entre médicos como entre o público. “O tema ainda era pouco conhecido pelos profissionais da área e, menos ainda, pelos pacientes”, afirma Petracco. O primeiro bebê do mundo a nascer por concepção em proveta foi a inglesa Louise Brown, em 1978.

Após uma gestação tranquila, o primeiro bebê gaúcho de laboratório nasceu no dia 23 de fevereiro de 1989, às 10h17, com 2 quilos e 820 gramas, através de cesariana – o cordão umbilical estava enrolado no pescoço. Quando nasceu, o menino recebeu a nota máxima do teste de Apgar, que avalia as condições do bebê na hora do parto. Seu nascimento ocorreu após 38 semanas de gravidez, duas a menos que o previsto.

Para Petracco, era o início de um novo tempo. “Não sabíamos o que poderia acontecer. Era tudo muito empírico, não havia caso concreto aqui perto de nós para compararmos. Ele é o símbolo de uma nova era para os casais que sonhavam em ter filhos”, diz. Mariangela Badalotti conta o sentimento do nascimento: “Parecia que o filho era nosso. O significado foi este, uma gratificação pessoal, orgulho da conquista científica”. Em homenagem ao Dr. Álvaro Petracco, o casal deu ao bebê o nome de Álvaro. Depois dele, tiveram uma filha, fruto de concepção natural.